Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

02.Mai.18

E chegaram os 18 anos

No passado dia 28/4 o meu único filho, o meu mais que tudo, chegou às 18 primaveras.

Quis tanto atrasar esta data. Chegou tão depressa, numa velocidade estonteante que não tivemos tempo de assimilar as suas mudanças físicas mas sobretudo psicológicas e de carácter.

Ainda é (e será sempre) o meu menino. A minha companhia, o meu hobbie, o meu maior prazer e orgulho.

Foram 18 anos calmos, tranquilos sem grandes sobressaltos e cheios de boas memórias.

Preparámos-lhe uma festa surpresa assim que chegou da Madeira. Como também lá estive nunca suspeitou que estivessemos a preparar algo memorável. Mas deixei cumplices por cá e as primas, tia, avó, amigas e a cúmplice mor - a namorada - trataram de tudo sem que desse por isso. 

Entrou na sala sem saber ao que ía (ía só dar um beijinho à tia que estava a trabalhar na cozinha). Nem reparou nos amigos que o esperavam. Só quando percebeu a presença de amigos de longe que não quiseram faltar.

O pai chorava, o tio chorava, as avós choravam. Eu, infelizmente não assisti (tive de ir arrumar o carro) mas choraria também tanto como quando visionámos o filme que preparámos com fotos suas, desde que nasceu até hoje com os Queen como banda sonora.

O seu sorriso fácil, a boa disposição e sempre rodeado de amigos, fez-me voar no tempo e sentir que estou mais perto de o perder e de poder beijá-lo, de vê-lo todos os dias.

"Quero agradecer a todos os que estão aqui presentes. Todos de alguma forma marcaram a minha vida e estou contente por terem vindo partilhar este dia comigo". Foi assim que discursou e agradeceu aos 75 convidados. Curto mas eficaz (não fosse ele um adepto das ciências pouco dado a português).

Para recordação ficaram as fotos e os envelopes com mensagens que os amigos e familiares deixaram.

Penso que não se irá esquecer nunca deste dia.

E eu também não...

Seria o primeiro dia do resto das nossas vidas mas por razões diferentes. 

Ele porque continuava o seu vôo e agora cada vez mais alto sem necessidade da protecção dos pais, a construir a sua própria história.

E eu, mãe galinha, porque começo a senti-lo fugir entre os dedos, a ser cada vez mais independente, a não precisar tanto de mim.

Já sinto saudades dos seus beijos doces, da sua mão colada à minha quando dormia comigo, do tsu sorriso quando o ia buscar à escola ou quando me pedia para jogar à bola com ele.

O meu menino cresceu. Tornou-se um Homem ...