Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

26.Jul.17

Os meus avós

É verdade hoje é dia dos avós.

É até um cliché deixar aqui, neste dia, umas palavras aos meus avós. Mas não o fazer também seria errado.

Ainda tenho uma avó, com 89 anos. Está já num mundo só seu, sem saber o nome dos seus familiares mais chegados mas lembrando-se de coisas da sua infância. Mas apesar de tudo, com uma boa condição física.

Os meus outros 3 infelizmente já não se encontram entre nós. Um deles morreu de forma trágica, inesperada pois quis ele próprio pôr termo à sua vida sem que nada o fizesse esperar. Um acto de coragem ou de covardia, nunca soube muito bem avaliar. Sei que me marcou pois, com 25 anos, foi o primeiro familiar que perdi. Das pessoas mais sérias e idóneas que conheci.

Mais tarde, a minha avozinha do peito. Que saudades das suas sopas, da laranja cortadinha com açúcar, das sopas de café e da sua generosidade. Dos almoços ao Domingo, depois da missa e da sua presença, na primeira fila, em todos os saraus de ginástica e demonstrações da escola de música. Partiu também sem saber, depois de um par de anos acamada mas sem noção da realidade.

E por último o meu avô materno. Eu era a sua companheira de viagem desde pequena, na distribuição. Cantávamos músicas antigas que ainda hoje sei de cor, os jingles da rádio, os clássicos do festival da canção. Guardo hoje uma mágoa por, nos seus últimos anos, não ter sido paciente com a sua forma de estar na vida. Quem me dera que ainda cá estivesse para me redimir e dar-lhe a atenção merecida.

O que sou hoje devo muito aos meus avós (principalmente aos avós maternos que estiveram sempre mais próximos e me viram crescer). Há cheiros, cores, momentos que nunca esquecerei e facilmente me lembro deles.

Acredito que estão num sitio bonito, felizes, descansados e em paz, a olhar por todos nós e também orgulhosos do que vêm. Obrigado (com uma lagriminha ao canto do olho).

 

2 comentários

Comentar post