Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

Black & gray

Porque a vida não é só "preto e branco". O cinzento também existe. E é a possibilidade de podermos optar pelo cinzento, em tantas situações, que torna a nossa vivencia tão rica.

24.Nov.17

A dança dos óculos

Ao longo destes meus 43 anos tenho usado óculos de forma intermitente.

Comecei logo aos 9 com astigmatismo que, confirmando as espectativas do médico, consegui corrigir aos 14.

Estive depois uns bons anos sem óculos (o que para uma adolescente era uma boa notícia já que este objecto, na altura, não era entendido como um acessório fashion). Mas, com o casamento (e alguns quilinhos a mais) comecei a perceber que só identificava ao longe as pessoas que conhecia e as luzes dos carros, à noite, fundiam-se numa só.

E o meu receio confirmou-se. Era a vez da miopia (não chegava a 1 dioptria mas era o suficiente para abalar a minha visão).

Uns 4 anos mais tarde, sofria várias vezes de dores de cabeça e logo suspeitei que precisava de mudar de lentes, estava concerteza a piorar. Qual quê? Afinal tinha corrigido a miopia e não precisava mais de usar óculos. Que excelente notícia! (excepto para a minha amiga R. que, enquanto eu estava na consulta, já se deliciava na loja à procura de novas armações dando asas ao seu instinto consumidor pouco ponderado). Numa consulta anual de medicina do trabalho, contei este meu feito e o médico questionou-me se tinha perdido cabelo?!! Ainda hoje não percebi a ligação e acho que estava a gozar com a minha cara (afinal, se assim fosse, os carecas não eram pitosgas, certo?).

Mas os 40 anos tudo trazem e, há uns meses atrás, percebi que algo errado se passava. E a minha desconfiança confirmou-se. De novo caixa de óculos, com miopia numa vista e astigmatismo noutra !!!

O meu problema é só na visão ao longe porque ao perto (ao contrário do que acontece com o avançar da idade), vejo perfeitamente mas, as novas lentes, e tal como me informou o optometrista, iriam comprometer esta última. Pois bem, agora ando numa dança de tira e põe óculos consoante a necessidade e a distância daquilo que preciso ver.

Até que decidi comprar uma corrente para os óculos para tornar mais prático este ritual...

Decidi mas não comprei porque lá em casa, sobretudo o meu filho, acha "acessório de velhos". Mas eu até queria comprar uma bem moderna, com missangas e tudo...

E encontro-me agora neste dilema: assumir que já não vou para nova e manter só os óculos de velha e sem corrente, ou disfarçar com uma corrente bem colorida e juvial?

E vocês, podem ajudar?

 

 

3 comentários

Comentar post